O Futuro do Transporte Ferroviário

A relação do Brasil com o transporte ferroviário é antiga. As primeiras locomotivas entraram em funcionamento no século XIX. Na época, esse era o melhor meio para escoar a produção que ocorria no interior dos estados para as cidades portuárias, com o objetivo de exportar os produtos. 

Com o passar dos anos, o transporte ferroviário perdeu a sua força e deu lugar ao modal rodoviário. Este ocupa, hoje em dia, o primeiro lugar na lista de transportes mais usados no país. 

As rodovias ganharam destaque, com deslocamento de caminhões, por exemplo. Segundo a Confederação Nacional do Transporte, em 2019 esse modal foi responsável por mais de 60% do transporte de cargas no país.

O cenário das ferrovias, neste contexto, não foi positivo. Nas últimas décadas, especialistas fizeram críticas à negligência com esse modal. Com aproximadamente 30 mil quilômetros de malha ferroviária, uma boa parte desse total não é utilizado. Segundo a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), mais de 8 quilômetros foram deixados de lado.

Além disso, há grande concentração das ferrovias em certas partes do país, e ausência em outras.  Contudo, nos últimos anos, algumas novidades fizeram com que as expectativas para o futuro do transporte ferroviário no Brasil aumentassem.

O Transporte Ferroviário: cenário atual e expectativas

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, o transporte ferroviário conta com cerca de 15% de participação quando o assunto é o deslocamento de grandes volumes de carga. Em comparação, países como Austrália, Canadá e Estados Unidos possuem mais de 40% de participação das ferrovias em suas matrizes.

A porcentagem brasileira é pequena se pensarmos nos benefícios que esse modal oferece, como a segurança, baixo índice de acidentes, de roubos de carga ou de extravio, dentre outros.

Contudo, o transporte ferroviário poderá passar por um grande crescimento nos próximos anos. Isso porque há vários planos para o setor, com novos investimentos sendo feitos.

PNL e Marco Legal das Ferrovias

O Plano Nacional de Logística (PNL), do Governo Federal, prevê o crescimento do transporte ferroviário. A expectativa é que até 2035 ele tenha 40% de participação na matriz modal do Brasil. Assim, houve a aprovação de trechos do Marco Legal das Ferrovias (Lei 14.273, de 2021). 

Desse modo, esse dispositivo atualiza as regulamentações para o setor. Portanto, um dos pontos da nova Lei é facilitar os investimentos privados no modal ferroviário. Uma das novidades foi a outorga por autorização. Isso já era possível nos modais aeroportuário e portuário. 

Vale lembrar que desde 2019 o Ministério da Infraestrutura assegurou o repasse de R$ 30 bilhões para o modal ferroviário. Isso foi possível a partir de concessões, renovações e do interesse da iniciativa privada.

A ANTF e as projeções para os próximos anos

A Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) possui um documento cheio de propostas para o Governo. O documento conta com uma agenda para o setor prevista para os anos de 2023 a 2026.

A ANTF prevê que se houver aprovação das ações, o país poderá ver uma série de benefícios. Com relação ao transporte ferroviário, a expectativa é de que as ferrovias consigam transportar até 31% da carga brasileira em 2025. 

Desenvolvimento tecnológico do Transporte Ferroviário

O desenvolvimento tecnológico está presente em diversas áreas e, com o transporte ferroviário, isso não seria diferente. A indústria ferroviária tem, cada dia mais, investido em novas ações que possam revolucionar o setor. 

Inovações para as ferrovias

Algumas das expectativas para o futuro das ferrovias são:

  • Trens que tenham operação remota;
  • Viagens com maior velocidade;
  • Manutenção das linhas férreas por drones;
  • Automatização dos processos de transporte;
  • Produção sustentável de trilhos de trem;
  • Ferrovias eletrificadas;
  • Reutilização dos trilhos de trem e sucata para obras de construção civil;
  • Redução da pegada de carbono, a partir da redução da emissão de gases poluentes;
  • Aumento da qualidade de serviço;
  • Aumento da segurança.

A produção de trilhos de trem

Uma das ações que contribuem para um futuro mais verde do Transporte Ferroviário é a produção sustentável de trilhos de trem. Ela é feita com material reciclável. 

Além disso, uma prática em crescimento é a adoção de materiais reutilizáveis, como, por exemplo, os trilhos ferroviários, na construção civil.  Isso é capaz de reduzir os impactos ambientais.

O uso desses trilhos ocorre tanto em grandes obras como em projetos residenciais. Usam-se os trilhos para fabricar vigas e pilares, por exemplo. Uma das vantagens do reaproveitamento é ter a chance de atrair investidores e clientes. O motivo é que muitas pessoas estão de olho nas empresas que adotam práticas sustentáveis.

Ainda, poder economizar na compra de novos insumos e ter uma melhor gestão de resíduos são outros benefícios.

Em suma, a Indústria Ferroviária investe em eficiência energética, uso de novas tecnologias, redução de emissões de carbono e produção sustentável para fazer o transporte ferroviário 

Onde comprar trilhos de trem?

Na hora de tomar a decisão, analise qual é o tipo de trilho mais adequado para o projeto. Garantir a segurança e a eficiência do seu projeto é fundamental. Portanto, você pode investir em trilhos de trem que acompanhem as inovações do transporte ferroviário. Os trilhos de trem devem passar continuamente por melhorias para que eles sejam mais seguros e mais amigáveis com o meio ambiente.

Então, se você quer comprar trilhos de trem que atendam às regulamentações nacionais de produção e que estejam alinhados com o futuro do transporte ferroviário, é preciso escolher uma empresa confiável e com expertise comprovada. Esse é o caso da GMS.

Com anos de participação na indústria ferroviária, a GMS produz trilhos com responsabilidade e inovação. Assim, entre em contato hoje mesmo com a GMS e faça a sua cotação!

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn